Cara Gente Branca é uma produção da Netflix, como Orange Is The New Black, que conseguiu causar sucesso, polêmica e dividir muitas opiniões, isso desde seus primeiros segundos de divulgação, antes mesmo do lançamento.

A série teve início no ano de 2017 e retrata a história contada em um filme do ano de 2014, também chamado de Cara Gente Branca (Dear White People), seguindo então o enredo mostrado nessa produção.

Embora infundadas, a série foi acusada de promover o que muitos chamam erroneamente de “racismo inverso”, promovendo o ódio aos brancos. O que, apesar de andar longe de ser verdade, acabou sim prejudicando a audiência inicial da produção, que mesmo assim conseguiu se recuperar e ganhar suas merecidas continuações.

Cara Gente Branca – Trailer

O trailer de Cara Gente Branca é um dos grandes responsáveis por dar início às polêmicas envolvendo toda a série, que a acompanhou até o seu final. Onde já é possível observar um olhar mais forte, voltado para a comunidade negra, que embora expressasse a verdade para essa comunidade, foi interpretada de uma forma muito errada por uma parte do público, que acusou a série do que eles chamam de “racismo reverso”.

Elenco de Cara Gente Branca

Há muitos pontos chamativos em Cara Gente Branca, e um deles, sem dúvidas é a grande quantidade de atores negros. Isso porque a série é voltada para mostrar justamente esses diversos pontos de vista dessa comunidade, tratar de questões sobre o racismo, igualdade, etc. tendo então uma presença realmente marcante de personagens negros, sendo encabeçada pela atriz Logan Browning, que interpreta a personagem principal, Sam.

Cara gente branca Logan Browning Cara Gente Branca: elenco, trailer e curiosidades
Logan Browning como Samantha White (Sam)
Cara gente branca Antoinette Robertson Cara Gente Branca: elenco, trailer e curiosidades
Antoinette Robertson como Coco Conners
Cara gente branca Brandon P. Bell Cara Gente Branca: elenco, trailer e curiosidades
Brandon P. Bell como Troy Fairbanks

Resumo da série Cara Gente Branca

Cara Gente Branca conta a história de uma comunidade negra que está dentro de uma universidade, tratando de diversos assuntos relacionados ao racismo, a sexualidade, ao papel do homem negro na sociedade, mas principalmente sobre os diversos olhares que os negros tem sobre os mais variados pontos, e com olhares dentro da própria comunidade.

Afinal, ser negro também significa ser diferente, então há diversas opniões que são muito bem mostradas dentro da série, como a militância negra, as pessoas que não se importam muito com isso, aquelas que se aceitam como são, e as que tentam mudar para se sentir bem, etc.

A origem da história em si tem início com uma festa dentro da universidade promovida por uma fraternidade branca, onde eles fingem ser negros ao pintarem o rosto de uma cor mais escura (black face). E dessa festa se inicia uma série de acontecimentos, e de opiniões divergentes sobre essa festa, com basicamente a opinião de um personagem principal por episódio.

A personagem principal da trama é a Sam, apelido de Samantha White (Logan Browning), uma jovem estudante de cinema que atua com um programa de rádio dentro da universidade, chamado de Dear White People, com a tradução livre de Cara Gente Branca ou Querida Gente Branca, que é como ela sempre inicia seus diálogos na rádio.

Sam é uma militante negra bastante engajada nas causas de sua comunidade, e que vê na festa Black Face algo muito ofensivo para com os negros. Então, ela sempre tenta explicar e conscientizar as pessoas brancas sobre suas atitudes.

Esse é basicamente o ponto inicial da trama, mostrando todos os pontos de diferentes olhares dentro da fraternidade negra sobre os acontecimentos, tendo, é claro, seus momentos de tensão, com cenas mais pesadas, e um enredo realmente fascinante.

A ideia é realmente mostrar todas essas diferenças que ocorrem dentro da comunidade negra, com olhares diversos e opiniões diferentes sobre os mais variados temas.

O que se passa em Cara gente branca?

Cara gente branca é realmente uma produção única, que busca mostrar não apenas o olhar da comunidade negra sobre a sociedade, mas sim os diversos pontos de vista que estão dentro da comunidade. Afinal, assim como todos os seres humanos, os negros também são pessoas diferentes umas das outras.

Um ponto interessante sobre a série é a grande quantidade de atores negros, que tornam o elenco majoritariamente afro-descentente, sendo um marco dentro das produções e sereados de TV.

Apesar disso, o olhar negro é observado com um ponto de vista bastante aberto, fazendo com que a série possa dar identidade não apenas ao povo negro em si, mas a qualquer um que se permita deixar levar pela trama.

São personagens realmente muito profundos, que conseguem representar o próprio ser humano em si, com toda a sua complexidade, mostrando variedades, qualidades e defeitos de cada pessoa.

A própria Sam, por exemplo, embora seja uma militante realmente muito ativa, namora um homem branco, o que também é visto por algumas pessoas dentro da comunidade com um olhar negativo.

É possível perceber inclusive essa questão que ocorre em ambos os lados, seja a comunidade branca olhar de uma forma estranha se namorar um jovem negro, como também a própria comunidade afro-descentende olhar como algo estranho uma negra namorar um jovem branco.

A questão da imperfeição realmente é também muito bem abordada pela série Cara gente branca, mostrando o olhar humano sobre as coisas, e sobre toda a diversidade que ocorre dentro da comunidade.

O multi-colorismo, com os mais variados tons de pele negra, também é bastante abordado, e as identificações que cada um tem, com a aceitação do cabelo, por exemplo, que é mostrado em diversos aspectos. Além, é claro do próprio racismo, que é peça chave na trama.

Cara gente branca e a acusação de racismo reverso

Cara gente branca foi uma produção da Netflix que trouxe muitas polêmicas mesmo antes de seu lançamento na plataforma. Foram precisos apenas alguns segundos do primeiro primeiro trailer oficial da série para já começarem diversas manifestações negativas sobre o enredo da produção.

Isso porque no trailer, Sam narra justamente a passagem onde diz que pessoas brancas não podem se fantasiar de negros, fazendo com que muitas pessoas presupossem que a série tratasse de algo que fizesse algum tipo de ataque aos brancos, o que soava como o erroneamente chamado de “racismo reverso”.

Bem, as manifestações negativas a série foi realmente imediata, com muitas mensagens de ódio aos negros, acusações infudadas, etc. tanto que o próprio Youtube teve que intervir e retirar esses comentários maliciosos.

Um boicote a série foi também iniciado, onde diversos usuários começaram a cancelar suas assinaturas, causando ainda mais alvoroço em relação a sua estreia, que mesmo assim ocorreu normalmente.

Mas será que Cara Gente Branca realmente possuía um olhar deturpado dessa realidade, indo contra os direitos do homem branco? Bem, a grande verdade é NÃO! A série mostra justamente um olhar contrário a isso.

O fato de dar voz ao povo negro não significa ir contra o povo branco, e o olhar dado a essa comunidade é bastante amplo, contando com diversos pontos de vista. Quem assistiu a série ou buscou estudar um pouco mais sobre ela, consegue perceber isso rapidamente.

Quando ao racismo reverso, bem, esse é um assunto quase encerrado, com o veredito realmente de que isso é infundado, já que o racismo é amplo, abrangendo todas as raças.

Com isso, Cara Gente Branca acabou sofrendo um boicote injusto que atrapalhou sim em sua audiência inicial, mas que foi se superando com o passar do tempo, onde foi possível entender a proposta da série.

Onde assistir Cara Gente Branca?

Cara Gente Branca chamou muita atenção mesmo antes de sua estreia, sendo uma das séries mais chamativas da Netflix. Embora tenha sido por motivos negativos, sendo envolvida em um polêmica infundada.

No entanto, é outra produção de nome da Netflix, que realmente consegue produzir diversas séries de qualidade, com Away, com um resultado final muito bem elaborado.

Cara gente branca realmente foi um marco na história da plataforma, que sofreu um boicote, perdendo diversos assinantes, mas que mesmo assim conseguiu mostrar a postura de uma grande marca, mantendo a publicação da série, e dando inclusive continuidade a história, que era realmente muito envolvente.

Então, por ser uma série original da plataforma, que além de ser a produtora é a sua distribuidora mundial, para quem quer assistir Cara gente grande, é preciso apenas tornar-se um assinante, e conferir também outros trabalhos, como a premiada série Bridgerton, que acabou se tornando a produção mais assistida da plataforma.

Quantas temporadas tem Cara Gente Branca?

Cara gente branca foi lançada no ano de 2017 na Netflix, três anos depois da estreia de Outlander, inicialmente com uma recepção de público não tão grande, devido às acusações já mencionadas anteriormente, que se mostraram infundadas.

A crítica, porém, recebeu muito bem a obra, já que realmente mostra um olhar muito profundo sobre o preconceito, mas sem imposições, servindo justamente para abrir a mente do telespectador.

De uma forma geral, a série fez sim sucesso, mesmo com todas as contradições, tanto que ganhou não apenas uma, mas sim três temporadas adicionais, tendo no total 4 temporadas completas, sendo lançadas desde 2017.

A história, porém, tem sua seção final no ano de 2021, quando foi lançada em setembro a quarta e última temporada da série, para coroar uma das obras mais envolventes da plataforma.

Cara Gente Branca é bom?

Ao assistir Cara Gente Branca é preciso abrir a mente e buscar se colocar no lugar dos personagens, uma vez que realmente são atuações profundas, mas que exigem uma reflexão sobre a história.

O próprio formato da narrativa foge um pouco dos padrões normais, onde em cada episódio um dos personagens principais narra o seu ponto de vista sobre a trama inicial, já mencionada aqui.

Sendo assim, como cada episódio são 30 minutos, são meia hora de conexão direta com o personagem em específico, permitindo compreender perfeitamente seu ponto de vista, e formar inclusive opinião sobre ele, baseado nessa perspectiva. Depois, ocorrem sequências mais convencionais, permitindo também uma imersão total na história em todo o enredo mostrado.

Tendo em vista isso, é preciso ir para a série realmente disposto a observar isso, e entendendo essa premissa, a série se torna uma produção impecável, com um olhar aberto e específico em diversos momentos, permitindo se ter um olhar realmente profundo sobre a comunidade negra, o racismo e o nosso papel na sociedade.

E uma prova bem real dessa qualidade é a quantidade de novas produções que vieram depois da sessão inicial de Cara gente branca, chegando a quatro temporadas completas, disponíveis na Netflix.

Um dos pontos negativos, apontados pelos fãs da trama, foi em relação a 4º temporada da série, que acabou alterando um pouco esse formato, tirando a identidade da produção.

4 temporada de Cara Gente Branca virou musical?

Como mencionado, a grande surpresa de Cara Gente Branca ocorreu justamente em sua temporada final, quando os produtores resolveram transformar a série em um tipo de musical. Essa alteração não foi muito bem vista pelos fãs da franquia, uma vez que alterou completamente toda a ideia inicial da obra.

Obviamente que muitos dos temas principais que estão atrelados a produção, como o preconceito racial, e também a sexualidade, que é outro fator marcante, ainda continuam sendo bastante abordados. Mas, de certo modo, a essência geral da obra realmente foi muito comprometida, principalmente se comparada com a primeira temporada.

Cara Gente Branca sempre carregou uma carga de tensão muito grande, uma vez que tratava de temas sérios e complicados, claro, sempre buscando deixar um pouco mais leve, mas mesmo assim, ainda é bastante tenso assistir.

Ao ser transformada em musical, por outro lado, toda essa tensão, essencial a obra, foi perdida, dando outro ambiente a produção, muito diferente do que os fãs já estavam acostumados, e isso não agradou muito.

Com isso, todas as cenas são mescladas com várias canções, interpretadas pelos próprios atores, chegando apenas em um ponto que não é preciso levar em conta a qualidade ou não da produção, apenas que isso realmente não pertence ao mundo de Cara Gente Branca, que possuía outro modo de produção.