O Melhor guia informativo sobre compras na internet.

O Homem Mais Rico da Babilônia[George S. Clason] é Bom?

Há muito tempo na lista dos mais vendidos, “O Homem Mais Rico da Babilônia” tem cativado leitores no mundo inteiro até os dias atuais. Se você nunca ouviu falar nesse livro de autoajuda e de finanças, talvez esse post possa te ajudar a conhecer mais sobre a obra e descobrir seus detalhes, prós e contras.

O Homem Mais Rico da Babilônia, de George S. Clason

Imagem com O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason inclinado
Foto: O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason inclinado

O Homem Mais Rico da Babilônia é um livro publicado originalmente em 1926. No Brasil, existe mais de uma edição desse livro. Mesmo tanto tempo depois, O Homem Mais Rico da Babilônia continua na lista de mais vendidos. Se você quer mudar sua vida financeira e a forma como enxerga o dinheiro, esse livro é para você.

Características:

  • Autor: George S. Clason
  • Publicação original: 1926
  • Gêneros: Economia, Finanças, Desenvolvimento Pessoal
  • Edições: HarperCollins (2017), Edipro (2022).

Sinopse

George S. Clason nos traz, por meio desse clássico da educação financeira, ensinamentos valiosos para quem quer ter sucesso na vida.

A partir de parábolas e histórias curtas, fáceis de ser entendidas, ele mostra como é possível multiplicar o dinheiro e gerenciá-lo para que nunca falte. Com seus argumentos, ele busca trazer consciência e autorresponsabilidade na forma como lidamos com nossas finanças.

Para isso, ele se utiliza de segredos e exemplos da antiga Babilônia, uma cidade muito próspera que existiu no passado.

Com linguagem simples e direta, O Homem Mais Rico da Babilônia vem encantando leitores há décadas, servindo, para muitos, como primeiro contato com o tema da educação financeira.

Resenha

A falta de planejamento financeiro

Dinheiro. Uma palavra simples, mas tão poderosa. É por ele que precisamos trabalhar, com ele podemos viver com alguns confortos no dia a dia e sua falta pode ocasionar muito sofrimento.

Todos queremos dinheiro, mas muitas vezes não temos a menor ideia de como administrá-lo. E pior, nem sempre temos noção disso, porque não nos foi ensinado.

Muitas pessoas, por falta de educação financeira, vivem em constante angústia e escassez, vendo seu salário sumir mês após mês sem saber para onde ele foi e como pôde acabar tão rápido.

Esses indivíduos não têm nenhum planejamento ou controle de suas finanças, e, por isso, assistem, impotentes, o fruto de seus trabalhos escapar por entre os dedos.

A história por trás

Imagem com O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason de lado
Foto: O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason de lado

Para explicar seu ponto de vista, o autor se utiliza de uma história (e de pequenas outras histórias que se relacionam a ela): na antiga Babilônia vivia um homem chamado Bansir, um construtor de carruagens que vivia com problemas financeiros.

Ele se lembrava, entretanto, que tinha tido um amigo de infância chamado Arkad que havia se tornado o homem mais rico da Babilônia. Então, Bansir decidiu procurá-lo para que este o ensinasse como ficar rico e nunca mais passar por dificuldades financeiras.

A partir dessa história comum, Clason desenvolve outros pequenos relatos que ensinam ao leitor de forma descontraída a lidar melhor com o dinheiro.

Os ensinamentos de Clason

George S. Clason vai direto à raiz do problema: se não houver um controle e planejamento dos gastos, a tendência é nunca alcançarmos o que queremos. Ele apresenta, então, maneiras de lidar com nossas finanças para que o dinheiro no final do mês não apenas sobre, mas também se multiplique.

Não citaremos, aqui, todos os ensinamentos passados por ele, mas podemos falar sobre um deles, talvez o mais importante para o dinheiro não evaporar da sua mão: “Poupar seus gastos“.

É tão simples que parece quase um senso comum absurdo, mas as pessoas andam por aí fazendo justamente o oposto. Então esse ensinamento deve ser necessário, não é?

Por poupar seu dinheiro, entendemos que gastos devem ser não só proporcionais ao que você ganha, mas de fato menores que esse valor. Isso porque você vai gastar só uma parte do dinheiro e deixar a outra parte em uma reserva.

A sociedade do imediatismo

Vivemos em uma sociedade de imediatismo, no qual a impulsividade, sobretudo com dinheiro, impera. As pessoas preferem se entregar a um prazer consumista momentâneo a racionarem um pouco mais e manter seus recursos seguros.

Isso pode ser exatamente a diferença invisível que existe entre você e o seu sucesso. Não há como prosperar se tudo o que você ganha, você gasta imediatamente com coisas supérfluas.

Prós e Contras de “O Homem Mais Rico da Babilônia”

Imagem com O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason deitado
Foto: O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason deitado

Prós

  • Contém ótimos ensinamentos para quem quer começar a entender de Finanças Pessoais
  • Autor best seller, vendido no mundo todo
  • Livro considerado um dos precursores das Finanças

Contras

  • É um livro muito curto e alguns dos ensinamentos poderiam ter sido melhor aprofundados

O Autor

Quem foi George S. Clason?

George Samuel Clason nasceu em Louisiana, no estado do Missouri, Estados Unidos, no ano de 1874 e é conhecido hoje como o autor de um dos livros mais antigos e populares com a temática finanças pessoais.

Estudou na University of Nebraska, participou da guerra Hispano-Americana (1898) e fundou duas empresas, dentre elas uma editora. Clason escrevia e distribuía panfletos sobre finanças pessoais que viriam a se tornar sua obra “O Homem Mais Rico da Babilônia”.

Até hoje esse livro é considerado um clássico da economia para leigos e de finanças pessoais.

“O Homem Mais Rico da Babilônia” é bom?

Afinal, “O Homem Mais Rico da Babilônia” Vale a Pena?

Agora chegamos a um momento decisivo deste post. Será que o livro O Homem Mais Rico da Babilônia é bom? Vale a pena? Isso é o que vamos te ajudar a decidir a seguir.

O primeiro a se ter em mente de que esse livro não é uma obra de teoria econômica ou algo específico da Economia.

Não se trata de uma obra acadêmica, mas sim de um compilado de ensinamentos que podem ser lidos por quase qualquer pessoa. É, portanto, uma leitura simples e fácil para quase qualquer leitor, justamente a proposta do livro.

Essa obra dá uma espécie de norte em relação a essa temática e é muito indicada tanto para adultos, como para jovens que estão iniciando sua vida financeira e querem aprender a lidar com isso.

Não chega a ser um guia de fato, mas podemos utilizá-lo com essa função de nos orientar a tomar as melhores decisões possíveis em tudo o que diz respeito a nosso dinheiro.

As pessoas também perguntam

O que fala no livro “O Homem Mais Rico da Babilônia?”

O livro conta a história de Bansir, um homem que vivia com dificuldades financeiras na Babilônia e decidiu contatar seu antigo amigo de infância que havia virado o homem mais rico da região, a fim de aprender com ele a ficar rico também. A partir daí, o escritor George Clason desenvolve suas ideias mostrando de que forma podemos usar esses exemplos a nosso favor na vida financeira.

Por quê ler O Homem Mais Rico da Babilônia?

A leitura desse livro vale a pena para aprendermos a lidar melhor com o dinheiro e não apenas isso, mas também fazê-lo “trabalhar” para nós, ou seja, multiplicá-lo.

Quem foi o homem mais rico da Babilônia segundo o livro?

O homem mais rico da Babilônia se chamava Arkad. Sendo filho de comerciantes, começou do zero sua jornada até a riqueza. Decidiu pesquisar sobre como se tornar rico e a cada ensinamento aprendido, sua situação melhorava até que conquistou a fortuna.

Considerações Finais

Neste post, mostramos a ideia central do livro O Homem Mais Rico da Babilônia, de George S. Clason, publicado pela primeira vez em 1926. O livro ganhou o mundo e o coração do público, motivo pelo qual decidimos apresentar esse best-seller mundial e te ajudar a sanar as dúvidas sobre ele. Esperamos ter ajudado.

Gostou do post? Escreva suas impressões nos comentários!

Clique para avaliar
[Total: 0 Nota: 0]
você pode gostar também
Comentários
>