Orphan Black foi uma daquelas séries que chegou sem fazer muito barulho, mas que acabou se estabelecendo como uma das melhores do seu gênero. Acredite, após iniciar o primeiro episódio, você não vai mais conseguir parar.

A série já foi concluída e possui 5 temporadas incríveis. Trazendo ainda uma das maiores atuações individuais da história da TV, onde Tatiana Maslany deu um verdadeiro show interpretando incontáveis personagens, um show a parte e que por si só já valeria a pena conferir.

Porém, a série é tão intensa e tão boa que esse se torna apenas mais um ponto a ser levado em conta. Portanto, vamos conhecer um pouco mais sobre Orphan Black. Uma série que consegue unir suspense, dramas, momentos engraçados e manter o telespectador preso na frente da tela.

Orphan Black – Trailer

O frenético trailer da primeira temporada já fala bastante sobre o que você pode esperar da série que não dá um episódio de folga se quer. Confira:

Orphan Black – Elenco

1 5 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Tatiana MaslanyPersonagem:
Sarah / Beth / Alison / Cosima / Helena / Rachel / Katjia
2 5 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Dylan BrucePersonagem:
Paul Dierden
3 5 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Jordan GavarisPersonagem:
Felix Dawkins
4 4 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Kevin Hanchard
Personagem:
Detective Art Bell
5 4 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Maria Doyle Kennedy
Personagem: Mrs. S
6 4 Orphan Black: Elenco, Trailer, Curiosidades
Michael Mando
Personagem: Vic

Orphan Black – Resumo

As 5 temporadas da série contam uma história sobre clonagem humana e uma rede de conspiração que vai muito além do que se pode imaginar.

Assim, o foco mostra as irmãs clones unidas lutando para conseguir resolver todos os problemas que as cercam. Porém, a cada temporada elas vão se metendo em um poço cada vez mais fundo.

Essa inteligente importação canadense – uma mistura viciante de drama de vingança e suspense de ficção científica – é algo raro na TV hoje em dia: um enredo cheio de mitologia com personagens tão bem elaborados e versos tão inteligentemente escritos que você genuína e profundamente preocupam-se com o que lhes acontece.

O enredo é razoavelmente direto. Há pouco mais de 30 anos, a empresa de genética Neolution aperfeiçoou secretamente a ideia da clonagem humana e implementou dois projetos, um masculino (Projeto Castor) e um feminino (Projeto Leda). Os clones masculinos foram amplamente canalizados para o exército, enquanto a maioria dos clones femininos foram enviados para o mundo, alguns inconscientes da verdade de sua criação, então monitorados.

O enredo central segue uma dessas clones femininas, a pequena criminosa Sarah Manning (Tatiana Maslany), que foi criada “na selva” apenas para descobrir tardiamente que é um clone. Ela luta para encontrar suas “irmãs” e descobrir a verdade sobre a Neolution, suas sombrias empresas-mãe Dyad e Topside, e os Proletheans – a organização religiosa chefiada por um ex-cientista do MIT que se tornou fundamentalista cristão e se dedica a eliminar todos os sobreviventes do projeto.

A profundidade de Orphan Black

Mas o que torna Orphan Black um prazer tão grande assistir a série não é apenas o seu enredo, embora seja atraente e cuidadosamente pensado, mas sua caracterização e os retratos que seu excelente elenco oferece. Muito se falou sobre o fato de Maslany tocar todos os clones do Projeto Leda, exceto um.

É uma façanha fantástica que permite ao ator canadense mostrar seu alcance ao passar sem esforço da Sarah britânica para a dona de casa americana Alison ou para Helena, criada na Ucrânia e quase selvagem. Ela habita cada um deles inteiramente, até seus diferentes olhos revirados, garantindo que mesmo quando eles conversam ou, de forma memorável, saem e dançam , nunca pensemos oh, essa é uma pessoa tocando todos esses papéis.

As atuações de Maslany são superlativas – e foram, com razão, o tema de uma campanha para o reconhecimento do Emmy, que ela finalmente ganhou no ano passado – mas ajuda o fato de ela estar trabalhando com um roteiro inteligente e espirituoso que não impede de colocar as histórias das mulheres em seu cerne. Esses clones não são IAs subjugados pelo olhar masculino de seu criador , mas mulheres comuns com histórias de fundo diferentes e vidas separadas e igualmente interessantes às quais respondemos.

Portanto, instamos a estudante de doutorado Cosima a encontrar uma cura para a doença auto-imune que ataca os clones. Torcemos por Sarah em sua busca pela verdade. Rimos com a estúpida Krystal, que teimosamente se recusa a acreditar que é um clone.

“Porque na verdade ela tem no máximo sete em um dia bom, e me disseram que sou um 10”. Nós até sentimos simpatia pela fria Rachel, criada pelos cientistas do Projeto Leda Ethan e Susan Duncan e convencidos de que ela é a herdeira de Neolution, o único clone que poderia governar todos eles.

Nem são apenas os clones que nos envolvem. Como o irmão adotivo de Sarah, Felix, Jordan Gavaris faz o possível para roubar o show, enquanto Maria Doyle Kennedy traz um maravilhoso toque de aço para a Sra. S, Sarah e a mãe adotiva de Felix. E Rosemary Dunsmore é gloriosamente assustadora como Susan Duncan, uma mulher para quem o calor maternal parece pouco mais do que uma fachada.

Este é um programa preocupado com a maternidade, o papel das mulheres na sociedade e o antigo debate entre a criação e a natureza. Os clones podem ser todos parecidos, mas suas personalidades são determinadas por como eles foram criados tanto quanto por seu progenitor comum – e os criadores do programa, John Fawcett e Graeme Manson, revelam esses temas com sutileza e cuidado.

Uma inteligência impressionante percorre Orphan Black. Cada série pega os títulos dos episódios de uma obra influente diferente. A primeira série inspirou-se nas Origens das Espécies, de Charles Darwin, e na segunda série, os escritos de Francis Bacon, indiscutivelmente o pai do método científico.

Essa vontade de se envolver com temas intrigantes – densos, até mesmo – sem nunca deixar a trama se arrastar é o que torna Orphan Black tão divertido de assistir, a série raramente erra o pé. Esta série final trará resolução? Com uma história tão complicada, sempre há a chance de a bola cair, mas no entanto Orphan Black não cometeu esse erro.

Mas o final da quarta temporada com um ritmo excelente, que deixou vários personagens em perigo enquanto insinuava que os mistérios centrais estão começando a se desvendar rapidamente, é razão suficiente para antecipar uma conclusão digna de tudo o que veio antes. Orphan Black é realmente uma das peças mais singulares, inteligentes e bem contadas da televisão nos últimos anos e com um final digno de aplausos.

Tatiane Meslany – O Ponto alto de Orphan Black

Maslany joga meia dúzia de clones diferentes durante a primeira temporada, com quem sabe quantos mais prometidos para a segunda temporada iminente. Começamos com a esperta Sarah, mas logo conhecemos suas irmãs de proveta: a mãe do futebol Alison, a estudante de microbiologia Cosima, a assassina Helena e muito mais. Oferecer uma performance digna de crédito para um show é difícil o suficiente, mas Maslany acerta várias aqui, frequentemente aparecendo em cenas como várias versões interagindo perfeitamente. 

Este é o nível olímpico, atuação de resistência. É como assistir a um corredor de longa distância fazer várias corridas ao mesmo tempo. É sempre claro qual clone ela está interpretando – sotaque, atitude e linguagem corporal, junto com guarda-roupa e maquiagem conspiram para criar a coleção de personagens de Maslany. 

Cada nova virada é cheia de surpresas, como com a já citada mamãe futebolista Alison, que começa estridente e tenso, parecendo não ser nem um pouco divertido, então rapidamente rouba todas as cenas mais espirituosas e comoventes. Mas a verdadeira diversão vem de assistir Maslany imergindo em uma miríade de camadas de atuação: como a cena em que Sarah tem que adotar a personalidade de outro clone. É algo estonteante e impressionante de assistir, quanto mais agir.

Claro, Maslany pode ser a melhor coisa sobre o show, mas ela não é a única coisa boa sobre isso. Há também Jordan Gavaris como seu irmão adotivo Felix , cujas cenas com Maslany demonstram grande química (dando a ela a chance de trabalhar com outra pessoa que não ela mesma) e suas brincadeiras serão familiares para muitos irmãos. Há também o sempre bem-vindo Matt Frewer como um sinistro líder do culto “Neolution” e Maria Doyle Kennedy como a mãe adotiva séria de Sarah e Felix.

Orphan Black – Curiosidades

1 – Tatiana Maslany fez o teste para ser protagonista na série, nele precisou interpretar 5 clones: Sarah, Beth, Cosima, Alison e a alemã. Os óculos que Cosima usa foi uma adição feita pela própria atriz, então depois que os produtores viram, o acessório passou a fazer parte da personagem.

2 – Tatiana Maslany levava em torno de uma hora e meia para se caracterizar entre uma personagem e outra, o que elevou o tempo de filmagem, pois ela estava em quase todas as cenas como alguma das clones. Esta é uma razão pelas quais os coadjuvantes tiveram mais espaço na segunda temporada, tendo mais cenas com eles e mais tempo para Tatiana se preparar.

3 – A série foi gravada em Toronto no Canadá, mas os produtores buscaram deixar isso mais vago, transmitindo um ar universal à série, sem dizer onde Oprhan Black se passa, seja nos EUA ou Canadá, ou qualquer outra parte do mundo.

4 – Quando a BBC América apoiou o projeto perguntou se um dos personagens poderia ser Britânico. Então os produtores pensaram na Sarah, já que isso a tornaria ainda mais uma “de fora”.

5 – No final da segunda temporada, acontece a divertida dança clone. Essa era uma cena longa, foram feitos mais de 3 minutos de cena, cortada em diversas partes porque o episódio não é tão longo, mas mantiveram o máximo possível na tela, com o objetivo de criar um raro momento de paz e trazer algo divertido.

Onde assistir Orphan Black

A série é produzida pela BBC em parceria com a Netflix nas temporadas seguintes. Assim, você pode assistir a série assinando o serviço de streaming. A produção é uma das melhores presentes no catálogo e é um prato cheio para os fãs do gênero de ficção e suspense.

Então, assim como Stranger Things, Peaky Blinders, Dark e outras produções da Netflix, Orphan Black aparece em um lugar de destaque na plataforma. Portanto, se ainda não viu, corra para conferir.