Você não terá que esperar muito por um  Galaxy Chromebook mais acessível. A Samsung anunciou que lançará o Galaxy Chromebook 2 em 1º de março. As pré-encomendas estão disponíveis hoje no site da Samsung internacional. Para o Brasil ainda não há previsão de compra. Porém, a expectativa é que em breve a empresa faça o lançamento do produto aqui no Brasil.

Como costuma ser o caso com lançamentos Samsung, o consumidor tem um incentivo para colocar dinheiro antes do lançamento do Galaxy Chromebook 2. Quem comprar o pré-lançamento receberá um bônus em compras da Samsung de U$50,00.

Como é o Galaxy Chromebook 2?  

Não há dúvidas que a maior vantagem do atual modelo é a tela, que marca a estreia dos painéis QLED entre os Chromebooks. O novo display substitui o AMOLED utilizado na primeira geração do Galaxy Chromebook e oferece 13,3 polegadas, sensibilidade ao toque, resolução Full HD de 1920×1080 pixels e alta precisão de cores.

Mesmo assim, o Galaxy Chromebook 2 não é tanto um sucessor do modelo original , mas um relançamento mais acessível. Enquanto o primeiro Galaxy Chromebook era uma máquina premium com uma tela 4K, uma caneta e um processador Core i5, sua sequência começa com uma tela 1080p (sem caneta incluída), 1.9 GHz Celeron 5205U, 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento 

Isso não quer dizer que a máquina seja necessariamente um passo para trás. Como dissemos, ele é  o primeiro Chromebook com uma tela QLED, como a Samsung faz questão de apontar – não é tão bom quanto o 4K  do Galaxy anterior, mas deve melhorar significativamente a vida útil da bateria. 

Você ainda terá aquela parte externa de alumínio de aparência premium com uma opção em vermelho atraente, bem como suporte para touchscreen para Chrome OS e aplicativos Android. Além disso, o segredo do lançamento do Galaxy Chromebook 2 é esse preço. Nos Estados Unidos, o modelo anterior custava U$999,00. Porém, os novos valores divulgados chegam a U$549,99, revelando a nova estratégia da Samsung de tentar competir com a concorrência com preços mais acessíveis. 

A expectativa é que os valores no Brasil sejam compatíveis com o valor do produto nos Estados Unidos. Ou será que teremos surpresas positivas por aqui? Veremos!