O ano de 2020 não foi bom para a Samsung. Aliás, não foi para a maioria das empresas de tecnologia. Em virtude da crise econômica causada pela pandemia do Coronavírus, a receita do setor caiu alguns bilhões no ano passado. A crise no consumo atingiu até as grandes empresas do setor. Mas a marca sul-coreana disse que o lucro operacional de sua unidade responsável pela venda de smartphones cresceu 18% em relação aos três meses anteriores, em parte devido ao “impacto positivo de ajustes de despesas pontuais”. 

A Samsung é a maior fabricante mundial de telefones celulares e os aparelhos respondem pela maior parte dos lucros da empresa. Na verdade, o volume de vendas da gigante sul-coreana “desmente” a crise no setor de tecnologia. Os números foram divulgados no momento em que a Samsung registrou um lucro líquido de 7,5 bilhões de dólares no primeiro trimestre, comparado com 7 bilhões nos três meses anteriores.

O mercado da Samsung está saturado?

 O sucesso de sua linha de smartphones Galaxy tem sido um dos maiores incentivadores do crescimento da Samsung nos últimos anos. Isso ajudou a empresa a destronar a Nokia como maior fabricante mundial de telefones em 2012. 

No entanto, a competição no setor vem aumentando, obrigando os fabricantes a baixarem seus preços e prejudicando sua lucratividade. Ao mesmo tempo, a demanda por smartphones nos mercados desenvolvidos – que têm sido os principais motores do crescimento do setor até agora – também começou a diminuir. “Esta é mais uma evidência de que o mercado global de smartphones está amadurecendo e que o ritmo de crescimento que empresas como a Samsung têm desfrutado nos últimos anos está diminuindo”, disse Andrew Milroy, analista da consultoria Frost & Sullivan. 

O analista acrescentou que “a empresa terá que olhar para a introdução de modelos de custo mais baixos em mercados emergentes para sustentar o negócio.” O lançamento de produtos com valores elevados pode estar com os dias contados, pelo menos é o que pensa Andrew Milroy. Por sua vez, a Samsung tem justamente procurado explorar os mercados emergentes com o lançamento de aparelhos de baixo custo. Diante da crise econômica global, a estratégia de preço pode ajudar a salvar as empresas de um colapso maior.

No entanto, a empresa sul-coreana tem enfrentado competição crescente também nessa frente, especialmente de empresas chinesas como Xiaomi, Huawei e ZTE, que ano após ano têm produzido aparelhos de altíssima qualidade e com preço menor que seus concorrentes.