lev vygotsky Lev Vygotsky: Biografia (1896 - 1934)

Lev Vygotsky foi um psicólogo bielo-russo que morreu há mais de 70 anos. Suas teorias partem de temas sobre criação da cultura, desenvolvimento intelectual e relações sociais.

Devido a censura soviética do período entre 1896 e 1934 e sua morte precoce devido a tuberculose, seus trabalhos estão em processo de descoberta e são alvos de debate no mundo, pois são consideradas complexas.

Seus trabalhos são objetos de estudo utilizados principalmente por educadores e psicólogos, devido aos estudos sobre o desenvolvimento intelectual.

O psicólogo foi um pioneiro na psicologia cultural-histórica e também um importante pensador, desenvolvendo o conceito de que o desenvolvimento infantil correto depende das interações sociais, condições de vida e também da mediação de adultos.

Lev demonstrou interesse durante sua vida em explicar as funções psicológicas superiores, como lembrança, planejamento e pensamento. Ele também criou o conceito sobre o cérebro ser aberto e mutável, se desenvolvendo a partir do meio e contexto histórico ao qual o indivíduo é exposto.

Graças a sua paixão pela arte e também pela proximidade com artistas e outros intelectuais, Lev foi publicamente considerado em 1927, pelo cineasta Sergei Eisenstein, como uma das personalidades mais brilhantes da época.

Com a tuberculose se agravando, o psicólogo decidiu intensificar suas pesquisas e estudos, principalmente aqueles que envolviam crianças com deficiências, para tentar finalizar alguns de seus trabalhos antes da sua morte.

A inquietude de Lev, o desenvolvimento humano e o conhecimento o fizeram procurar entender a relação entre o desenvolvimento intelectual e as relações sociais, culturais e históricas. Devido a trabalhos muito à frente de seu tempo, Josef Stalin o acusou, em 1936, de idealismo e proibiu suas obras de serem compartilhadas por 20 anos.

Seus trabalhos ficaram conhecidos apenas após sua morte, com a sua primeira pesquisa sendo traduzida nos Estados Unidos apenas após a década de 60.

Fatos sobre a vida de Vygotsky

NomeLev Semionovich Vygotsky
GêneroMasculino
Famoso comoPsicólogo
NacionalidadeRusso
Nascido17 de novembro de 1896
Falecimento11 de junho de 1934
CônjugeRoza Noevna Vygodskaya

Quem foi?

Lev Semionovitch Vygotsky nasceu no dia 17 de novembro de 1896, em Orsha, Império Russo, atualmente conhecida como Bielorrússia. Ele nasceu em uma família de classe média alta, de etnia judaica, e se formou na Universidade de Moscou, no curso de direito, no ano de 1918. Em seus anos de faculdade, ele também estudou na Universidade Popular de Shanyavskii, cursando simultaneamente história e literatura.

Após concluir o bacharelado em direito, no ano de 1918, Lev mudou-se para Gomel e, seis anos mais tarde, lecionou no curso de psicologia do “Instituto de Treinamento de Professores”, onde criou um laboratório de psicologia. Devido a perseguições de Stalin, Vygotsky omitia a formação que conseguiu em psicanálise. Nesse mesmo ano, em conjunto com as aulas no Instituto, o jovem criou uma revista literária.

Foram as críticas literárias que deram destaque, por analisar o significado e contexto histórico de obras de arte, o que foi chamado anos mais tarde de “psicologia da arte”, assunto que rendeu um livro entre os anos de 1924 e 1926.

Graças a seu interesse na psicologia, ele passou a analisar produções teóricas e obras publicadas naquela época, ficando conhecida como teoria de “Gestalt”, da “Psicanálise” e “Behaviorismo”.

Como Lev presenciou a Revolução Russa no ano de 1917, ele estudou os pensamentos de Karl Marx e Friedrich Engels. Propondo a reorganização da psicologia através das proposições do materialismo histórico.

Entre os trabalhos do psicólogo, os mais conhecidos são sobre populações camponesas de seu país, onde realizou testes neuropsicológicos em algumas aldeias e o antes e depois do realinhamento cultural e econômico da revolução socialista.

Graças a experiência que Lev viveu enquanto formava professores, ele passou a estudar os distúrbios de linguagem e aprendizagem, causados por deficiências congênitas ou adquiridas. Para conseguir completar essas pesquisas, ele se formou em medicina, em Kharkov.

Após participar de uma conferência no II Congresso de Psicologia, em Leningrado, Vygotsky foi chamado para trabalhar no Instituto de Psicologia de Moscou.

Seus trabalhos sobre as funções mentais, linguagem, cultura e processos cerebrais e outras publicações sobre o tema estão reunidos no livro “A formação social da mente”, que aborda os processos e problemas psicológicos dos humanos, os analisando desde a infância a partir do contexto histórico e/ou cultural.

O governo soviético reprovou os trabalhos realizados por Lev na época de sua morte, porém, alunos que o seguiam preservaram suas pesquisas e apontamentos para utilizar em outros períodos.

O psicólogo morreu no dia 11 de junho de 1934, aos 37 anos, em Moscou, na Rússia. A causa de sua morte foi tuberculose.

Infância, juventude e relacionamentos

Vygotsky nasceu em uma família judia, sendo o segundo filho de oito irmãos. Seu pai era chefe de um banco e também trabalhava como representante de uma companhia de seguros. A mãe era professora, porém, não exercia a profissão e se dedicava a cuidar da casa e dos filhos.

A família era culta e os pais tentavam transmitir seus conhecimentos para os filhos, deixando a biblioteca da casa à disposição para que estudassem. Como era muito incentivado a estudar, Lev sempre se mostrou interessado por diversas áreas, ele costumava organizar grupos de estudo e aprender outros idiomas. Além de história, também demonstrava interesse em teatro, literatura e poesia.  

O jovem estudou em casa até os 15 anos, sendo educado por professores particulares. No ano de 1913 ele entrou na Universidade de Moscou, onde cursou direito.

No ano de 1924, aos 28 anos, ele se casou com Roza Smekhova, com quem permaneceu até o dia de sua morte. O casal teve duas filhas.

Carreira

O trabalho de Lev começou em 1917, mesmo ano da Revolução Russa, quando ele se formou em direito e apresentou o trabalho “Psicologia da Arte”, porém, esse documento só foi liberado para publicação no país em 1965. Nesse mesmo ano ele escreveu diversas críticas literárias e dava palestras sobre psicologia e literatura nas escolas.

Após dedicar um tempo para dar aulas de psicologia em um Instituto de Treinamento para professores, ele resolveu se dedicar a pesquisas sobre o desenvolvimento mental de crianças. Alguns anos depois, em 1924, ele participou de um congresso de psicologia e foi chamado para integrar o quadro de colaboradores do Instituto de Psicologia de Moscou. A partir desse trabalho, ele desenvolveu a pesquisa sobre os problemas de educação de crianças cegas, surdas, mudas e com deficiência mental.

Devido ao interesse que o psicólogo demonstrava sobre linguagem e processos orgânicos cerebrais, ele trabalhou com famosos pesquisadores neurofisiologistas, como Alexander Luria e Alexei Leontiev, com que escreveu o livro “A formação social da mente”, analisando os processos humanos a partir da infância e do contexto histórico e cultural.

Infelizmente, o importante trabalho feito por Lev se tornou conhecido há pouco tempo. Devido à repressão feita por Stalin e à censura soviética na Rússia, muitos dos textos do psicólogo foram destruídos e, com isso, suas pesquisas ficaram conhecidas a partir de 1962, quando o livro “Pensamento e linguagem” foi lançado nos Estados Unidos.

Mesmo com uma vida relativamente curta, Lev lançou ao mundo uma importante obra. Com estudos inicialmente voltados para a psicologia da arte, ele analisava obras a partir de teorias psicanalíticas, estudos linguísticos, da mitologia e poética, com isso, ele é considerado o pioneiro dos estudos da arte literária.

O contexto de Vygotsky desenvolveu ideias na União Soviética que refletem a vontade de refazer a psicologia se baseando no conceito marxista. Com isso, é perceptível que esse pensador estabeleceu um diálogo fundamental na época sobre um novo desenvolvimento e entendimento psicológico.

Esses trabalhos foram somados a outros que causaram grandes influências na sociedade, na vida material de consciência e também do comportamento humano, tornando mais fácil a compreensão dos estímulos e comportamentos humanos.

Uma das crenças mais conhecidas que era objeto de estudo de Vygotsky era sobre a gênese das ideologias a partir da economia e política, onde propunha uma oposição entre o individual e o social. Para o estudioso, essa oposição deveria ser substituída por individual e coletiva, com a meta de identificar as diferenças individuais dessas pessoas, enquanto o coletivo seria o contexto histórico e cultural.  

Diferente de outros teóricos daquela época, Vygotsky buscava mostrar que a cultura é parte da natureza humana de cada um, dando base para as funções psicológicas e resultando na atividade do cérebro. Esse método de estudo foi chamado por ele de “psicologia cultural-histórica”.

Outro método de estudo criado por Lev foi a defectologia, onde analisava as causas de deficiências sensoriais e mentais, estudando a contribuição aos sistemas funcionais e cerebrais.

Em seus estudos, Vygotsky dividia seus pensamentos sobre linguagem, aprendizagem e instrumentos psicológicos em três, sendo eles mediação, linguagem e aprendizagem:

Mediação: Por mediação, entende-se a capacidade de colocar um intermediário entre o indivíduo e um objeto. Ele acreditava que com a evolução, a relação entre o homem e o mundo se torna cada vez menos direta. Em suas pesquisas, há relatos de dois tipos de mediação.

A primeira é a mediação por instrumentos, causada pela relação entre a natureza e o homem, descrita como a capacidade do homem de utilizar instrumentos para mudar a natureza a seu favor. Através desse trabalho são desenvolvidas as relações sociais do homem.

A segunda mediação é a de signos, onde utiliza-se a linguagem simbólica e estabelece uma relação mediada entre o homem e a realidade. Os símbolos são relacionados e criados através da cultura e compartilhados entre os indivíduos. Um exemplo são os idiomas.

Linguagem: Essa ferramenta é descrita por Lev como capaz de transformar os rumos de atividades e organiza funções psicológicas como memória, pensamento e atenção. Quando o indivíduo aprende uma nova linguagem, ele tem seu modo de pensar e ver o mundo alterado. Vygotsky acreditava que sem o desenvolvimento da linguagem, não haveria desenvolvimento humano.

No livro “A formação social da mente”, de Lev, ele fala sobre como o desenvolvimento infantil e a capacidade de usar a inteligência acontece antes de a criança começar a falar. Por isso, ele acreditava que, mesmo que no adulto esses sistemas operem simultaneamente e constituam o comportamento, nos pequenos eles funcionam independentemente.

Foi a partir desses estudos que o psicólogo passou a se interessar na aprendizagem e na pedagogia, pois os processos do desenvolvimento chamaram sua atenção. Com essas pesquisas, Vygotsky passou a ter influência também na educação.

Aprendizagem: A teoria de Vygotsky que explica a aprendizagem e o desenvolvimento parte de pesquisas sobre os fenômenos humanos semióticos, onde se apresentam premissas para entender o porquê de os processos em sala de aula serem tão complexos.

Uma das crenças do psicólogo é que o desenvolvimento do homem acontece a partir da sua relação com o mundo, porém, há a influência da consciência e dessa forma o indivíduo caracteriza o que é cultural e o que é social.

Foi Lev o responsável por desenvolver o conceito da Zona de desenvolvimento proximal, relacionado com a diferença entre o que uma criança faz sozinha e o que é capaz de aprender com a ajuda de alguém. Esse conceito representa o que uma criança consegue adquirir intelectualmente quando tem o suporte correto.

Vygotsky é o responsável por contribuir ao conceito que relaciona o pensamento e a linguagem, tornando compreensível as funções mentais enquanto sistemas. Essa teoria foi desenvolvida posteriormente por um de seus seguidores.

Em suas obras, Vygotsky afirma que o conhecimento não pode ser adquirido apenas através de professores. Ele defendia que a aprendizagem faz parte de um processo de atividade conjunta entre educadores e alunos e suas conexões entre si deveriam ganhar maior espaço. Dessa forma, o professor seria um orquestrador do processo.

Os pilares dos pensamentos de Lev Vygotsky são:

  • A relação do homem com o mundo é mediada por sistemas simbólicos, como símbolos e instrumentos, capazes de auxiliar na atividade humana;
  • O cérebro é um sistema mutável e suas estruturas se moldam ao longo da vida do indivíduo, dependendo das relações com o meio em que vive;
  • A cultura é uma parte importante do desenvolvimento;
  • O funcionamento psicológico é baseado nas relações sociais, culturais e históricas de um indivíduo.