Gary Lewis

Conhecido por seus familiares como Gary Stevenson, Gary Lewis é um ator escocês, que teve grandiosos papéis no cinema e também em programas de TV. Boa parte de seus o envolveram de formas diferentes, ainda mais para retratar personagens importantes.

Fez parte do elenco de “Billy Elliot”, “Eragon”, “Gangs of New York”, “Outlander” e “Supervolcano”.

Como boa parte de sua base de experiência em início de carreira foram os curtas, Gary Lewis conseguiu adquirir muitas habilidades e experiências. Conquistou alguns prêmios ao longo da carreira e foi indicado para vários.

Para saber mais sobre a vida e carreira de Gary Lewis, continue lendo.

Fatos rápidos sobre a vida de Gary Lewis

NomeGary Stevenson
GêneroMasculino
Famoso comoAtor
NacionalidadeEscocês
NascimentoDia 30 de novembro de 1657 (63 anos)
Conhecido por seu papelPai – Billy Elliot

Quem é Gary Lewis?

Gary Lewis é um ator escocês de infância simples, nascido e criado na região de Easterhouse. Em todas as suas entrevistas sempre alegou a sua dicotomia sobre sua educação. Ao longo dos anos, pôde perceber como o valor da educação fez diferença em sua vida e que isso realmente fez falta em sua vida durante um tempo.

Embora seus estudos não tiveram qualidades formais o suficiente, sempre foi um aluno dedicado. Quando precisou abandonar os estudos para trabalhar, havia um motivo maior por trás. Mas assim que pôde, retornou e finalizou seus estudos.

Além disso, sempre foi um bom menino apaixonado por literatura. O que lhe fez percorrer o sonho de se tornar ator e se tornar o profissional bem sucedido que é hoje. Como começou com o teatro amador, conheceu muitas pessoas do meio e com isso, conseguiu muitos trabalhos em curtas metragens.

Com o passar dos anos, outras parcerias foram se formando, e então papéis maiores foram aparecendo. Sempre variou em gênero de trabalhos, indo do suspense, ao terror e também do drama a comédia.

Infância e juventude de Gary Lewis

Nascido em 1957, o ator Gary Lewis que foi batizado como Gary Stevenson, foi criado em Glasgow, em Easterhouse. Seus pais com três outros filhos além dele, os criaram muito bem educados e frequentando a escola de forma simples.

O pai era latoeiro, fazia e vendia objetos de lata enquanto que a mãe também trabalhava fora, em uma fábrica que produzia biscoitos na cidade. Com a vida simples da família, Gary teve que abandonar os estudos para começar a trabalhar.

Ao longo de sua infância, trabalhou em diversos lugares e de diversas maneiras. Durante um tempo trabalhou em uma biblioteca, enquanto que outras vezes foi até varredor de rua. Porém, deu a volta por cima e conseguiu completar os estudos e se formou em ciências sociais pela Glasgow College of Technology.

Com muita dedicação acabou se formando com honra ao mérito no ano de 1983. Na vida escolar, sempre foi muito incentivado por um de seus professores de inglês. Durante o ensino médio, Gary Lewis devorava livros e mais livros. Foi quando decidiu que em sua carreira, seria ator.

Com toda sua paixão pela literatura, Gary sempre estudou muito os grandes clássicos. Não somente na escola pelo que era dado como lição, mas por conta própria. Por amor ao conteúdo que gostava de ler.

Com o passar dos anos também se interessou pelo teatro, até que em 1979 participou de sua primeira peça e chegou a ganhar um prêmio. A peça ao qual participou era do escritor Freddy Anderson, chamada de “Krassivy”.

Mesmo atuando no teatro amador, ao completar sues 32 anos, Gary Lewis se tornou ator por tempo integral e foi trabalhar no Raindog Theatre que pertencia a Robert Carlyle. Nessa época desenvolveu muito de suas habilidades em atuar, e participou de alguns espetáculos.

As principais produções que esteve envolvido foram “Wasted”, “One Flew Over The Coockoo’s Nest” e “Ecstasy”. Depois mudou de companhia de teatro e realizou os espetáculos “As vinhas da Ira”, “Harold Pinter’s the Birthday Party” e “Um dois Hey” como ator principal.

Início de carreira

Foi em 1993, que Gary Lewis, junto de seu amigo e diretor, Peter Mullan, deu início a carreira do audiovisual. O ator foi convocado para participar de um curta metragem, chamado “Close”. Quando começaram a trabalhar juntos, os dois foram melhorando suas performances e ficando mais conhecidos.

Com isso, passaram a ser chamados para participações em filmes maiores como o thriller “Shallow Grave” em 1994. Além disso, Gary continuou fazendo bicos em curtas para ir ganhando experiência junto com Mullan. Inclusive, fez parte de “Fridge”, de 1996, que ganhou prêmio.

Mais tarde, em uma sociedade, Gary Lewis se uniu ao diretor Kenneth Loach, que se tornou um de seus mentores e o inseriu em dois filmes junto de Robert Carlyle. Portanto, nesta época em 1996, estrelou “Carla’s Song” em parceria e “My Name is Joe” em 1998.

No meio do caminho entre os dois filmes Gary foi convidado a participar de mais um curta, chamado de “California Sunshine” de 1997, e depois de voltar a trabalhar com Mullan, participou de “Orphans”, “Postmortem”, “The Good Son”, “Sonny’s Pride”, “The Lucky Suit”, entre outros.

No ano de 1999, Gary Lewis já era conhecido e passou a ser chamado para produções maiores. Inclusive, fez sua primeira comédia dramática, chamada de “East is East”, em seguida foi convidado a fazer outra comédia, “Gregory’s Two Girls” e em seguida estrelou a produção “The Match”, tudo no mesmo ano. Até ser descoberto internacionalmente, e então sua carreira mudou.

Quais foram os principais trabalhos de Gary Lewis?

Houveram muitos papéis importantes na carreira de Gary Lewis, é difícil citar por qual deles ele é mais conhecido, ou qual é o principal. Contudo, desde que foi descoberto inicialmente e participou do filme de 2000, “Billy Elliot”, sua vida no meio artístico como ator, mudou completamente.

A história de um menino que tinha o sonho de ser bailarino, em uma época como 1984, onde acontecia a greve dos mineiros, Gary interpretava o pai do garoto. Tinha que lidar com a situação difícil, e assim, sua interpretação lhe rendeu uma indicação de Melhor Ator Coadjuvante para o prêmio BAFTA.

A partir deste ano, toda as suas preocupações ou incertezas sobre a carreira passaram. Mais papéis em obras maiores foram aparecendo e assim sua carreira foi se expandindo.

No ano de 2000, estrelou o filme “One Life Stand”, e ao final do ano também já havia feito vários curtas. Alguns deles foram “O Que Onde”, “O Elevador”, “Long Haul”, “Limpa” e começou o ano seguinte com “Rob of the Rovers”.

O ator Gary Lewis sempre gostou de trabalhar com alguns diretores que fizeram parte de sua vida e carreira, como é o caso de Giles MacKinnon. Em 2002, dois juntos realizaram obras como “The Scapist” e “Pure”.

Na sequência, viajou para atuar em “Gangues de Nova York” e trabalhar com Martin Scorsese. Uma de suas maiores participações, já que o filme acabou se tornando um clássico de guerra entre gangues e classe baixa dos anos 1860. Seu papel era de McGLoin, um irlandês americano que via as mudanças dos imigrantes em relação a suas atitudes.

Em 2005 fez parte da série de filmes “Eragon” que pertence ao gênero fantasia um filme que também marcou parte de sua carreira. Além disso, se passaram alguns anos e muitos filmes e séries passando pela carreira de Gary Lewis.

Em 2014, o ator foi chamado para participar da série de televisão “Outlander”, interpretando o personagem Colum MacKenzie na história de viagem do tempo, produzido pela Starz. O trabalho durou até 2016, sendo a série mais longa do qual o ator fez parte.

Além disso, alguns outros papeis mais importantes apareceram para Gary Lewis depois disso, já que seu nome embora já fosse conhecido, se tornou interessante para o mundo das séries e isso despertou interesse de muitos diretores e produtores.

O Papel de Gary Lewis em Outlander

Na série, o ator interpreta Colum MacKenzie, que pertence ao clã MacKenzie. Faz o papel de tio materno de Jamie, que é um dos personagens principais da trama. Na história, ele é um homem que domina o clã da família que tem muito poder.

Seu irmão, Dougal, também é importante e ambos formam uma dupla e tanto para manter as coisas da família em ordem. Com o passar dos episódios, o personagem de Gary Lewis pega uma doença que na época é chamada de Síndrome de Toulouse Lautrec. Conhecida hoje como uma condição degenerativa que faz perder os movimentos das pernas.

Com isso, seus dias vão ficando cada vez mais difíceis, e com muita dor, Colum começa a beber para se livrar as sensações insuportáveis que sente na região. Contudo, sempre se mantém forte perante as pessoas, para mostrar sua posição e sua liderança frente ao clã da família.

Muito da história vivida pelo personagem, envolve o clã inteiro como um todo, inclusive o romance que vive com Letitia Chisholm, com quem acaba se casando para formar uma aliança entre clãs. Nos livros, sua história começa a ser contada quando ele ainda tem 18 anos.

Ao longo da jornada do personagem de Gary Lewis, ele sofre alguns acidentes e fica bem prejudicado. Inclusive no livro, as cicatrizes em suas pernas não cicatrizam pelos acidentes e não pela doença como é retratado na série de tv.

Com algumas diferenças a parte, a atuação do ator sempre foi muito bem posicionada com a crítica. Com toda a sua lista de indicações para premiações, não é de se esperar que ele tenha habilidades e talentos para esse tipo de papel. Além disso, tem o irmão Dougal que acaba substituindo bem seus membros de mãos e pernas, lutando em seu lugar quando necessário.

Prêmios e indicações

Por ter uma carreira repleta de bons papéis e bons filmes, Gary Lewis recebeu várias indicações a prêmios e ganhou alguns deles. O primeiro papel pelo qual o ator foi indicado e ganhou, foi na categoria de Melhor Ator, em “Orfãos”, pelo Festival Internacional de Cinema de Gijón, em 1998.

No ano de 2001, por seu papel em “Billy Elliot’, foi indicado ao prêmio de Melhor Ator Coadjuvante, pela British Academy Film Awards. No mesmo ano, também foi indicado como Melhor ator britânico do ano, pelo mesmo papel, mas dessa vez pela London Crittics Circle Film Awards.

O Festival de Cinema Flaiano deu a Gary Lewis o prêmio de Melhor Ator em 2001 também pelo filme de “Billy Elliot”, enquanto que a Screen Actors Guild Awars o indicou na categoria de Elenco de filme conjunto.

No ano de 2002, Gary foi indicado para mais dois prêmios, um de Melhor Elenco por “Gangues de Nova York”, pelo Circuito Comunidade Prêmios. E por Melhor Ator Coadjuvante em Mo, pela British Academy Television Awards.

O último prêmio que recebeu foi por seu papel na série “Outlander”, de Melhor Conjunto de televisão, foi o Prêmio Satélite, no ano de 2017.

Vida pessoal

Atualmente o ator se encontra solteiro, e também sem relacionamento anunciado com ninguém. Não se sabe muito sobre a vida pessoal do ator, já que ele a mantém bem privada e no particular.

Com todas as notícias que já saíram sobre a vida do ator, não há quaisquer informações sobre filhos, esposa ou casamento. Gary Lewis mantém a sua vida pessoal no particular, incluindo alguns aspectos da sua infância.

Em alguns tabloides de fofoca, entretanto, sempre solta algumas notas de rompimento, ou de quando ele é visto junto de alguma pessoa, mas nada confirmado propriamente pelo ator. Gary Lewis nunca dá declarações sobre sua vida amorosa e nem seus representantes.

Portanto, se essas notícias são verdade ou boato, não tem como saber ao certo. Mas sempre que notícias desse tipo saem, as redes sociais se tumultuam a falar sobre a vida do ator.

Como ele não possui rede social, não pode responder de volta ou interagir. Seus comunicados oficiais sempre acontecem em entrevistas quando está estreando alguma produção e é questionado sobre assuntos relacionados com sua vida particular.

Ele já mencionou ter algum ressentimento por ter abandonado a escola e alega que isso fez diferença na sua vida. Contudo, sempre foi uma pessoa bastante dedica aos laços parentescos e familiares. Portanto, sabe-se que não há qualquer briga relacionada aos familiares do ator.