Paulo freire Biografia Paulo Freire: (1921 - 1997)
Via Wikipédia

Paulo Freire é um nome marcante dentro da educação brasileiro e também mundial, dando contribuições significativas para o desenvolvimento de metodologias de ensino relacionadas a alfabetização, bem como também suas próprias teorias relacionadas a educação, de uma forma geral.

Seu reconhecimento por suas obras e seu legado é estendido a nível mundial, sendo o educador brasileiro mais conceituado que já existiu. Por sua atuação, já foi preso e exilado, mas conseguiu converter essa penalidade em algo positivo, ao participar de diversos projetos educacionais em vários países por onde teve a chance de levar suas ideias. Foi o criador da Pedagogia Libertadora, que é a base do seu método de ensino.

Fatos Rápidos sobre a vida de Paulo Freire

NomePaulo Reglus Neves Freire (Paulo Freire)
GêneroMasculino
Famoso comoEducador
NacionalidadeBrasileiro
Signo do zodíacoVirgem
Nascimento19 de setembro de 1921
Falecimento2 de maio de 1997
Conhecido por criarA Pedagogia LibertadoraO livro Pedagogia do Oprimido
CônjugueElza Maia Costa de Oliveira (entre os anos de 1944 e 1986)
Ana Maria Araújo (entre os anos de 1988 e 1997)
FilhosJoaquim Costa Freire
Maria Madalena Costa Freire
Lutgardes Costa Freire
Maria Christina Costa Freire
María de Fátima Costa Freire

Quem é Paulo Freire?

Paulo Freire é mais conhecido educador do Brasil, sendo desde 2012, o Patrono da Educação Brasileira. Sua influência e suas obras levaram ao prestígio em diversos países do mundo, onde em vários deles é extremamente respeitado por seu método de ensino.

A aplicação prática de seu método de alfabetização, pautado na vivência do educando, consegue gerar resultados indiscutíveis, e é justamente esse o motivo que levou Freire a um nível de reconhecimento mundial.

Obviamente que nem todos concordam com suas teorias, algo que já era previsto e aceito por ele próprio, tendo em vista que entendia que ao escolher um lado da educação, os defensores dos outros lados não entenderiam essa visão.

Independentemente de tudo, devido a suas contribuições para a educação, Paulo Freire conseguiu tornar-se uma figura ilustre em sua época, sendo até hoje lembrado e reverenciado por suas obras. Vale lembrar que ele teve uma influência significativa das ideias de Karl Marx, embora não seja um marxista.

Dentro das ciências sociais, suas contribuições são de enorme importância. Prova disso é que sua principal obra, Pedagogia do Oprimido, é não apenas a obra brasileira mais citada por artigos, dentro desse campo, mas sim ficando em terceiro lugar, levando em consideração todas as obras do mundo.

Em suas viagens ao redor do mundo, participou de diversos projetos educacionais, em diversos países, por onde conseguiu arrecadar milhões de admiradores de seu legado, que é grandioso em quantidade e também em qualidade.

Escreveu diversas obras durante sua vida, e carrega ainda o título de ser o brasileiro com a maior quantidade de títulos de Doutor Honoris Causa, prestados pelas maiores universidades do Brasil e do mundo.

Como foi a infância de Paulo Freire?

Paulo Freire nasceu na capital de Pernambuco, Recife, que é um estado do litoral do nordeste brasileiro, mais precisamente no dia 19 de setembro do ano de 1921. Sua mãe, Edeltrudes Neves Freire, era dona de casa, e seu pai, Joaquim Temístocles Freire, era policial militar, carregando a patente de capitão.

Ele teve três irmãos, sendo o mais jovem de todos, e embora sua família fosse de classe média, quando ele tinha cerca de oito anos de idade, começaram a passar por sérias dificuldades financeiras, devido a crise dos Estados Unidos, que causou efeitos devastadores em diversos países pelo mundo, inclusive no Brasil.

Embora dificultoso, esse foi um período muito importante pelo desenvolvimento de Paulo Freire, uma vez que foi quando esse conectou com a pobreza, passando se desenvolver uma sensibilidade muito grande, o que ajudou no seu apoio, que ofereceu em toda a sua vida, a classe mais pobre, para a qual sua própria metodologia era mais voltada.

Graças ao apoio de sua família, conseguiu seguir com seus estudos até a sua entrada no curso de Direito, na Universidade de Recife, aos 22 anos de idade, onde formou-se na área. Contudo, embora tenha concluído o curso, na verdade, nunca teve grande interesse em atuar na área, já que era realmente a educação que chamava mais sua atenção.

Paulo Freire teve esposa e filhos?

Durante sua vida, Paulo Freire teve dois longos casamentos. No entanto, embora possa ocorrer um pensamento inicial de que ele tenha se divorciado de uma, e depois casado-se com outra, não foi bem assim que aconteceu.

O que ocorre é que tudo ocorreu devido a ação da própria natureza, com a morte de sua primeira esposa, e depois, já em seu segundo casamento, com sua própria morte. Com isso, ele casou-se novamente por que ficou viúvo, em seu primeiro relacionamento.

Sua primeira mulher foi Elza Maia Costa de Oliveira, com a qual se casou no ano de 1944, e com a qual viveu até a morte da mesma em 1986. Elza também era professora, e atuava ao lado de Paulo Freire em seu início de carreira como educador. Dois anos após a morte de Elza, Paulo Freire casou-se novamente com outra professora, a Ana Maria Araújo, com a qual viveu até o dia de sua morte, em 1997.

Ambas esposas tiveram um papel fundamental em toda a formação de Paulo Freire como o célebre educador que se formou, e ele sempre reconheceu a importância das mesmas, dedicando-às alguns de seus prêmios.

Com Elza, Paulo Freire teve cinco filhos: Joaquim Costa Freire, Maria Madalena Costa Freire, Lutgardes Costa Freire, Maria Christina Costa Freire e María de Fátima Costa Freire.

Já Ana Maria, ou Nita, como é conhecida, é a grande responsável pela vida intelectual póstuma do marido, publicando algumas obras que o marido não conseguiu terminar antes de morrer, e também uma biografia do mesmo, sendo alguém realmente de extrema importância da vida de Freire, tanto em vida, como depois de seu falecimento.

Qual é a formação de Paulo Freire?

Como mencionado, Paulo Freire se formou em Direito na Universidade de Recife, dando entrada no curso no ano de 1943, quando estava com 22 anos de idade. Vale lembrar, porém, que ele nunca chegou a exercer essa profissão, dedicando-se a vida como professor na área de português em escolas do ensino médio, inicialmente.

A Pedagogia Libertadora de Freire

Embora sempre tenha dividido opiniões acerca de seus métodos de ensino, Paulo Freire conseguiu obter muitos avanços dentro de um sistema de educação que ele considerava ideal. O primeiro ponto a ser considerado é o fato de que ele sempre teve consciência que a educação envolve também interesses diferentes, baseados nos objetivos que se quer dar a esses educandos, como formar trabalhadores, ou formar intelectuais, por exemplo.

Seu método de ensino era voltado para formar cidadãos críticos, que pudessem pensar criticamente, e também aprendessem a escrever isso de uma forma clara, através da alfabetização. Por isso, ele sempre foi crítico da educação que estava instaurada no período, e que ainda é comum nos dias atuais, que ele chama de educação bancária.

Nessa educação, que ocorre de forma vertical, o professor deposita os conhecimentos de forma autoritária sobre os alunos, que são como pessoas ainda sem conhecimento, sem cultura, sem uma vivência, o que não é verdade, já que cada um já traz seus conhecimentos.

Então, o método do educador era pautado exatamente na vivência dessa pessoa, onde para ensinar a ensinar um agricultor a ler e escrever, eram utilizados justamente os elementos que estão ao seu redor, aprender o nome de seus instrumentos. E esse é o ponto mais positivo do legado de Paulo Freire, que é a chamada Pedagogia Libertadora.

Por que Paulo Freire foi exilado do Brasil?

Após fazer uma demonstração bem sucedida da eficácia de seu método, onde conseguiu alfabetizar centenas de pessoas em um tempo recorde, Paulo Freire foi convidado pelo então presidente da república João Goulart, em 1964, para liderar um projeto chamado de PNA, que é o Programa Nacional de Alfabetização, com o objetivo de alfabetizar mais de 5 milhões de brasileiros.

Infelizmente, para quem conhece um pouco da história do Brasil, não é difícil perceber que esse é o mesmo ano do golpe militar, que instaurou a ditadura aqui no Brasil, e Paulo Freire, além de não poder seguir com seu projeto, foi preso e depois exilado do país, por subversão, vivendo 15 anos fora do território brasileiro.

Assim, o educador passou a viver em países como a Suíça, no Chile e também nos Estados Unidos, mas sempre se mantendo ativo em sua função, buscando educar aqueles que mais precisavam.

Nesse período, ele foi convidado para dar aulas inclusive em Harvard, nos EUA, que é a principal universidade do mundo. E com seu trabalho na Suíça, conseguiu realizar viagens e ações para diversos países do mundo, como na Europa e na África. Ele voltou para o Brasil em 1979, passando a atuar em diversas universidades do país, como a PUC.

Quando e onde foi escrita a Pedagogia do Oprimido?

Embora seu exílio possa ser visto como algo negativo, Paulo Freire soube aproveitar muito bem esse tempo, sendo muito em parte disso que ele aumentou ainda mais sua fama, através de seus métodos de trabalhos.

Outro ponto positivo que o educador conseguiu tirar desse período foi sua obra mais importante, Pedagogia do Oprimido, que escreveu no ano de 1968, enquanto estava trabalhando no Chile. Fato interessante é que sua obra foi primeiramente publicada em Inglês e em Espanhol, chegando ao mercado brasilero apenas no ano de 1974.

A relação entre Paulo Freire e o PT

Ao longo de sua vida, Paulo Freire sempre teve uma ligação muito íntima com a política, ou melhor, com o poder público, ocupando diversos cargos relacionados a diretor, secretário, professor, etc. Claro que ele nunca ocupou um cargo como político em si, mas o poder público realmente sempre esteve muito presente em sua vida.

Atrelado a isso, junta-se também o grande apelo que ele sempre teve ao povo pobre, a classe trabalhadora, que não por coincidência é justamente a bandeira que carrega o PT, o Partido dos Trabalhadores, do qual Paulo Freire foi um dos fundadores, no ano de 1980.

Por que Paulo Freire é odiado por alguns?

Embora seja reconhecido por todo o mundo como um dos dos principais pensadores dentro da educação, Paulo Freire também encontra muita recusa dentro de seu próprio país, que é o Brasil. Mas por que isso acontece?

Bem, para entender isso, é preciso levar em consideração o próprio sistema político brasilerio, que normalmente é dividido entre os partidos de esquerda e os partidos de direita, existindo também o chamado centrão.

Freire e seus pensamentos são muito associados ao lodo esquerdisda, embora ele pregasse a democracia de uma forma mais plena, e é justamente desse ponto que surge a recusa a suas ideias, que parte daqueles que defendem os ideais direitistas, sendo muito mais algo político do que qualquer outra coisa.

Além do mais, há também o que o próprio Freire chama de lado da educação, onde ao se defender um interesse, seja formar um tipo de cidadão em si, haverá sempre um outro lado que não será atendido. O próprio educador, como o democrata que era, entendia e aceitava muito bem essas divergências.

A morte de Paulo Freire

Depois de se dedicar por várias décadas à educação brasileira e mundial, Paulo Freire faleceu no dia 2 de maio de 1997. Sua morte ocorreu em São Paulo, mais precisamente no Hospital Albert Einstein, quando tinha quase 76 anos de idade.

O motivo de sua morte foi um ataque cardíaco, decorrente de alguns problemas que ele já vinha apresentando a algum tempo, tendo inclusive se submetido a uma cirurgia de desobstrução arterial, que foi justamente o que causou sua morte.

O fim de sua vida, porém, não significou o fim de seu legado, uma vez que muito sobre os seus trabalhos foi revelado posteriormente, como algumas obras inacabadas, sendo que sua então esposa, Ana Maria, realizou a publicação.