Um estudo recente de Piper Sandler sugeriu que a maioria dos adolescentes norte-americanos prefere iPhones a telefones Android. Esta não é uma informação nova, já que vemos todos os outros adolescentes segurando um iPhone. O banco Piper Sandler conduziu recentemente sua 41ª pesquisa semestral da Geração Z. Mais de 7.000 adolescentes participaram da pesquisa. A organização informou que 88% dos adolescentes americanos possuem um iPhone, enquanto 90% esperam ter um em breve.

O relatório também observou que 33% dos adolescentes têm um emprego de meio período. Houve uma melhora em seus gastos para US $ 2.165.

A Apple se tornou mais do que um smartphone. Acima de tudo, é um símbolo de status. Desta forma, em nome da aceitação do grupo, a maioria dos adolescentes norte-americanos usam os aparelhos da marca americana meio de comunicação bidirecional. Esses são os fatores que tornam o iPhone o smartphone preferido no país.

O iPhone como o “queridinho” em todo o mundo

De acordo com outra pesquisa realizada pela Counterpoint em 2020, cerca de 50% dos usuários possuem um aparelho Apple na América do Norte, seguido pela Samsung com apenas cerca de 25%.

O iPhone não é popular apenas nos Estados Unidos, mas também na Europa. Na Europa, 22% dos usuários de smartphones possuem um dispositivo Apple.

No entanto, o resto do mundo ainda é um grande fã de smartphones com Android, com a Samsung assumindo a liderança em muitas regiões, seguida pela Huawei. Pelo menos é o que o Android Authority, que um em cada dois smartphones vendidos na América do Norte em 2020, é iPhone.

De acordo com site português Tecnologia em Foco, globalmente, o iPhone 11 foi o smartphone mais vendido de 2020 com números estimados na ordem os 64,8 milhões de unidades vendidas. Embora a Samsung domine habitualmente o ranking global de smartphones, a Apple liderou durante o último trimestre de 2020.

Tudo indica que o reinado da Apple ainda está longe do fim, mas a disputa com a concorrência continua acirrada.